hellocidades

As novas formas do Jornalismo, com Rafael Vilela, do Mídia Ninja


Escrito por Motorola

Rafael Vilela, um dos fundadores do Mídia Ninja, foi escolhido pela curadoria da Casa #hellocidades como convidado para dar uma oficina e falar um pouco sobre como é o jornalismo independente, que retrata o dia a dia das cidades diretamente das ruas, acompanhado apenas do smartphone.

Nós, do HelloMoto, fomos conversar um pouco com ele e entender como o smartphone pode ajudar a trazer notícias em tempo real, conectando o profissional com o que acontece ao seu redor de maneira rápida e fácil e até mesmo criando novos formatos para o jornalismo contemporâneo. Confira o papo!

Crédito: Mídia Ninja

HM – Conte um pouco pra gente como está sendo a mudança que o jornalismo está passando no jeito de produzir conteúdo nesta era digital.

RV – Eu acho que a mudança está sendo feita principalmente pelos movimentos de comunicação independente e de comunicação livre, que são esses veículos, essas organizações como a Mídia Ninja e várias outras. Mais do que o “jornalismo” está fazendo, essa mudança está sendo puxada muito por essa nova geração de comunicadores, que é muito potente e que está, na verdade, fundando uma nova forma de fazer jornalismo, que está sendo pautada pela prática, pela necessidade dessa comunicação instantânea, de a gente conseguir dialogar com o público de uma outra forma. Não é mais só produzir o conteúdo como emissor e esperar que você tenha um receptor que vá receber esse conteúdo. Eu acho que tem um novo paradigma de comunicação que está colocado nessa era digital, que é entender que todo mundo é um produtor potencial de conteúdo e um replicador também. E, mais do que tudo, que é um público ativo, não é um público que fica esperando. Ele está sempre demandando, enviando proposta, produzindo e enviando conteúdo. É uma troca, mais do que uma emissão de uma mensagem como se entendia no século XX. O século XXI traz essa necessidade da troca, em tempo real, o tempo todo, de forma muito honesta.

HM – O imediatismo das notícias se tornou mais intenso após a era da internet e dos smartphones? Se sim, por quê?

RV – Bom, acho que a possibilidade de produzir e publicar um pensamento em tempo real, ao mesmo tempo em que ele é gerado, é realmente uma coisa muito nova e muito revolucionária. Tem um potencial muito forte de transformação da sociedade. Vinte, trinta anos atrás, para você conseguir chegar na quantidade de pessoas que a gente chega hoje era uma dificuldade muito grande. Então, por um lado, você tem esse tempo real acelerando a forma como a gente recebe e produz as informações, mas também tem uma força, uma potência muito grande dessa possibilidade que está colocada. Com certeza o tempo real, o imediatismo, se tornou mais intenso. Os celulares ajudam muito nisso, a internet, a qualidade da conexão que vem aumentando, isso com certeza mudou radicalmente a forma como a gente produz e consome informação.

Crédito: Mídia Ninja

HM –  Qual é sua opinião sobre esse imediatismo? Ele é bom ou ruim?

RV – Acho que tem vantagens e desvantagens, né? Mas no geral a possibilidade de poder distribuir de forma imediata, muitas vezes sem custos, um pensamento ou uma ideia é uma vantagem gigantesca da nossa era, que a gente não tinha nem como imaginar 5 ou 10 anos atrás. Isso é muito, muito importante e muito interessante, a gente não pode negar. Lógico que você tem muito conteúdo que é completamente descartável, que vai ser gerado naquele dia e que talvez nunca mais tenha relevância. O que a gente trabalha na Mídia Ninja é pra fazer com que essa produção que é feita em tempo real no celular tenha um valor histórico, artístico, que vai ser apreciado e que vai ser entendido e avaliado por muitos anos. Então as nossas transmissões ao vivo, por exemplo, estão expostas no IMS, que é o Instituto Moreira Salles. E elas estão expostas como obras de arte hoje.

A gente acha que essa fronteira tem de ser borrada. Que tudo que está sendo feito em tempo real é um acúmulo que vai sendo feito para um grande projeto também de documentação, que vai ser avaliado, pensado e degustado com mais calma em um futuro próximo.

Crédito: Mídia Ninja

HM –  Em um mundo globalizado e com tanta tecnologia, como você acha que a comunicação pode usar a internet para produzir conteúdo com mais abrangência e qualidade?

RV – A gente acha que a internet é mais uma ferramenta. Lógico que ela tem uma centralidade muito grande hoje na dinâmica do mundo contemporâneo, mas ela é uma ferramenta e, com certeza, se o seu objetivo for produzir com abrangência e qualidade, você pode usá-la dessa maneira. A possibilidade de pesquisa que você tem na internet hoje é infinita. A capacidade de você chegar e conhecer pessoas, por exemplo, por redes sociais e, a partir disso, ter múltiplas fontes é muito interessante. Acho que você tem uma série de fatores na internet muito favorável como meio, como tecnologia, que possibilitam você aprofundar e aumentar a qualidade. Não é a internet que define se vai ter qualidade ou não. O que ela faz é gerar um fluxo onde muita coisa é produzida, e a gente tem de filtrar e ao mesmo tempo qualificar essas informações.

HM –  Como o smartphone influencia sua vida como jornalista?

RV – Ele influencia em todos os meios, né? Essa possibilidade de a gente estar 24h conectado, sabendo do que está acontecendo, com o radar ligado é uma coisa que o jornalismo sempre teve como princípio. Só que isso antes significava ler um jornal inteiro de manhã ou ficar ligando para as suas fontes o dia inteiro. O smartphone condensa, concentra, esse fluxo, ou hiperfluxo, de uma maneira muito eficiente. E que ao mesmo tempo precisa-se tomar um cuidado para que ele seja de fato eficiente e não seja um excesso que vá te atrapalhar. Mas a gente em geral lida com muita tranquilidade com isso e faz praticamente tudo, o que não seria possível se não fosse a conexão 24h que os smartphones possibilitam. Acho que isso vale para o jornalismo, mas vale pra qualquer outra área que exista hoje. O jornalismo é uma das áreas que se beneficiam muito por conta de lidar com a informação.

Crédito: Mídia Ninja

HM –  Como o smartphone funciona hoje como ferramenta na produção do trabalho?

RV – É a superferramenta! É a câmera fotográfica, a câmera de vídeo, o gravador de áudio, o bloco de notas e é ao mesmo tempo com o que você se comunica com quem está na base, com o que você manda as informações, edita as fotos, os vídeos, os textos, e é onde você consegue também difundir, publicar em várias redes sociais e fazer milhares de pessoas terem acesso àquela informação.

O smartphone é central e hoje ele é esta caixinha mágica que dá conta de fazer praticamente tudo. Todas as tarefas que um jornalista ou que um mídia livrista ou que um comunicador, independente ou não, necessita.

POSTS RELACIONADOS

hellocidades
hellobh

“Rua das livrarias” estimula o hábito da leitura em BH