Bikes na madrugada: conheça os ciclistas que ocupam as ruas do Rio de Janeiro antes do amanhecer


Escrito por Abril Content

Nas madrugadas de segundas, terças e quartas, cerca de duzentas pessoas ocupam vias da cidade para “socar o pedal” muito, muito rápido. Um ano após as Olimpíadas do Rio, o número de ciclistas de velocidade aumentou bastante. E você? Tem disposição para acordar bem cedo e se juntar a eles?

A APCC do Porto passou por testes de viabilidade em maio, mas ainda não tem previsão para funcionamento. A região começou a encher os olhos dos ciclistas após as obras de revitalização para as Olimpíadas e Paralimpíadas de 2016. Aliás, para o ciclismo de estrada, o legado olímpico foi bastante positivo. Áreas como o Grumari, na Barra da Tijuca, e a Prainha, no Recreio dos Bandeirantes, ganharam novos asfaltos e, claro, novos frequentadores de duas rodas.

O ciclismo é um esporte que exige muita dedicação e disciplina, além de uma estrutura que envolve a articulação com o poder público. Para o alto rendimento, em que a velocidade chega a impressionantes 60km/h, é preciso que as pistas estejam vazias.

Quem pedala?

A maior parte dos ciclistas não profissionais que aceleram nas vias são homens de meia-idade. Esse grupo é tão forte que ganhou até um apelido: “mamil”, sigla em inglês para “middle-aged men in lycra” (homens de meia idade de lycra, em português). Mas o número de mulheres ciclistas tem aumentado significamente e já chamou atenção das marcas de equipamentos, que investem cada vez mais no público feminino.

Walter Tuche, ciclista e fundador da assessoria esportiva que leva seu nome, deu algumas dicas para quem quer começar a pedalar. De cara, ele derruba o primeiro mito sobre o ciclismo: não é um esporte só para quem tem boas condições financeiras. “O ciclismo pode ser uma brincadeira para todo mundo”, defende. Segundo ele, os valores de equipamentos funcionam de acordo com o que cada pessoa busca, mas podem ser bastante acessíveis.

Tuche lembra que, antes de começar qualquer atividade, é essencial ter o aval médico. Os benefícios do ciclismo para a saúde envolvem o sistema cardiovascular e a redução do estresse e, ao contrário da corrida, por exemplo, não tem tanto impacto para as articulações.

Check up feito, é hora de procurar assessorias esportivas e grupos de pedal mais próximos a você. O treinador reforça que pedalar com outros ciclistas é uma forma de ter mais segurança. Além disso, destaca, é importante observar como e onde vai  ser o deslocamento para as áreas de treino, especialmente para quem pratica nas madrugadas.

Selecionamos alguns aplicativos que monitoram sua performance e compartilham resultados para manter você conectado a outros ciclistas na madrugada ou em qualquer hora do dia:

Map My Ride: busca mapas de áreas pedaláveis na sua região, monitora seus treinos e mapeia suas rotas favoritas.

Runkeeper: usado também por praticantes de corrida, registra os treinos, ajudando a enxergar seus progressos.

Strava: é uma espécie de rede social para ciclistas e corredores urbanos.

Bikemap: app completíssimo, que possui rotas de ciclismo no mundo inteiro.

POSTS RELACIONADOS

arte

Nostalgia sempre est(ar)á na moda

Corrente Rosa Motorola

social

O “faça você mesmo” nunca foi tão legal