hellocidades

Leitura de Portfólio Fotográfico na Casa #hellocidades


Escrito por Motorola

A Casa #hellocidades vai ser um espaço único de encontro e troca para todos aqueles que amam tecnologia, artes urbanas e, em especial, fotografia.

E para dar uma força para quem está começando seus cliques ou quer desenvolver seu trabalho ainda mais, a Motorola planejou uma atividade muito bacana, a leitura de portfólio, que vai acontecer dia 10 de novembro, das 16 às 20h. Nela fotógrafos iniciantes poderão contar com a ajuda de duas profissionais com currículos excepcionais, que estarão disponíveis para dar dicas e direcionar projetos. Essa é uma atividade de formação fundamental, que auxilia no desenvolvimento dos trabalhos e, também, a troca de experiências e referências entre profissionais.

Se interessou e quer saber como funciona? Durante a sessão, cada fotógrafo apresenta o próprio trabalho, esteja ele finalizado ou em desenvolvimento. O leitor de portfólio orienta desdobramentos para aquele ensaio fotográfico, direcionando a pesquisa apresentada ou guiando o projeto de um fotolivro ou de uma exposição. Cada sessão é individual e tem uma duração de 15 minutos. A participação precisa ser agendada.

Agora vamos descobrir um pouco mais sobre as fotógrafas que farão parte da leitura de portfólios?

Gabi Di Bella trabalhou com assessoria de imprensa, produção de cinema e como repórter do El Pais Madrid antes de iniciar sua carreira como fotojornalista em Porto Alegre. Trabalhou no Jornal do Comércio e Metro Jornal, para o qual, entre muitas outras pautas, cobriu a Copa do Mundo 2014 e a tragédia de Santa Maria. Em 2013, ganhou o Prêmio ADEP-DF de jornalismo com as fotos da matéria “Presos e Esquecidos” sobre o presídio central em Porto Alegre. Em 2106 fundou, junto com o fotógrafo Gui Christ,  o coletivo Gringo e desenvolveu o projeto “Marrocos”, ganhador do prêmio de fotolivro da DOC Galeria e finalista de prêmios como Pierre Verger e Diário Contemporâneo. Já colaborou para agências como Reuters, Agência Freelancer, Pressphoto e Folhapress. Atualmente trabalha como freelancer e dedica-se a projetos documentais com foco humanitário, além de colaborar com BBC, Folha de S. Paulo e National Geographic.

Mônica Maia é fotógrafa, editora de fotografia, curadora e produtora cultural. É sócia da DOC Galeria, inaugurada em junho de 2012, um espaço com foco na fotografia documental. Foi fotógrafa dos jornais O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde entre 1987 e 1989 e, a partir de 1990, assumiu a Editoria de Fotografia da Agência Estado onde foi responsável pela produção e distribuição de imagens até 2007. Coordenou a área de fotografia do Núcleo de Revistas da Folha de S. Paulo até dezembro de 2010. Em 1999, foi a primeira brasileira a ser jurada do World Press Photo, e desde então é membro do Joop Swart Masterclass. É produtora executiva da Mostra São Paulo de Fotografia desde 2011, projeto anual de ocupação do bairro da Vila Madalena, em São Paulo, pela fotografia. Foi gestora cultural e administrativa da Galeria Nikon [2014-2016]. Também colabora com o portal Mídia NINJA com a coluna “Mulheres na Fotografia”.

Curtiu? Então aproveite a programação variada da Casa #hellocidades, sendo na leitura de portfólios, aproveitando as oficinas ou aprendendo e abrindo novos horizontes com os Hello Talks. Para participar da leitura, basta se inscrever no link.

A Casa #hellocidades fica na Rua Fidalga, 184, Vila Madalena, São Paulo, e a leitura de portfólios acontecerá dia 10 de novembro, das 16 às 20h.

POSTS RELACIONADOS

hellopoa

Cidade vintage: Porto Alegre nos tempos de outrora

hellocidades

O Criar também diz Hello para São Paulo