hellocidades
hellorio

Um chope para viagem, por favor!


Escrito por Abril BrandedContent

Pegue sua garrafa e conheça os growler bars. A tendência que vem dos Estados Unidos atrai cariocas que apreciam chopes artesanais, mas que também gostam do conforto da poltrona de casa

As cervejarias artesanais já se popularizaram na cultura e no paladar dos cariocas. Mas, recentemente, uma nova modalidade de estabelecimentos começou a despontar nas ruas da cidade. O nome, importado do inglês, soa um pouco estranho: growler bars. E o funcionamento também. Nesses bares, a ideia é pedir “cerveja para levar”. Ainda há poucos pelo Rio de Janeiro, mas o sucesso dos estabelecimentos mostra que tem lugar para eles por aqui.

Inaugurado no segundo semestre de 2016, o BeerLab, em Copacabana, foi o primeiro growler bar do Rio. Tem apenas um balcão e lugar para dez pessoas na rua Sousa Lima. Hoje existem outros bares especializados no chope para viagem nas zonas Sul, Norte e Oeste. A Praça da Bandeira, no Centro, já é famosa como um pequeno reduto de bares e cervejarias artesanais. Lá também é possível encontrar estabelecimentos que oferecem opções para viagem. Quem sai ganhando são os consumidores que querem provar chopes sem ter que lidar com a lotação de alguns bares. Aí, cada um fica livre para consumir onde quiser, seja na calçada, em praças, ou dentro de casa mesmo. Nos growler bars, só dá multidão quando chove lá fora.

Legenda: Noite chuva no Rio: growler bar em raro momento de lotação.

Chope diferenciado

Growler é o nome em inglês para a garrafa de vidro com tampa. Você pode ter o seu próprio recipiente e enchê-lo nas torneiras do bar ou comprar o growler local com a cerveja que desejar. No BeerLab, a garrafa vazia sai por R$ 36. Também é possível comprá-la por R$ 17, mais o valor do litro da bebida escolhida. A moda de beber chope no garrafão tem seu charme, e também outras vantagens.

Além da enorme variedade – as casas têm, em média, vinte diferentes opções de sabores –, os chopes artesanais são armazenados por menos tempo que as cervejas comerciais, e o tempo de transporte da fábrica até os bares também é menor. Assim que chegam, os barris vão direto para a câmara fria, para que se preserve a qualidade e o frescor do conteúdo. Na hora de servir, os equipamentos permitem que o chope vá para a garrafa em contrapressão, um método que evita a espuma. A tampa da garrafa ajuda a manter a pressão e o sabor. Dessa forma, a bebida fica até dois dias no recipiente individual como se tivesse sido tirada na hora da máquina.

Legenda: Growlers feitos de vidro âmbar e tampas que mantêm a qualidade da bebida

O consumo em garrafa reutilizável também tem um impacto ambiental bem menor que o de latas ou outras embalagens não-recicláveis. Os bares de chope para viagem se responsabilizam pela higienização das garrafas, utilizando pouquíssima água e produtos químicos no processo.

Novos sabores

Guardar cerveja no garrafão não é novidade – há relatos de que os growlers tenham nascido na Europa do século XIX. Mas a onda dos growler bars só se consolidou nos Estados Unidos há pouco mais de dez anos. Por lá, o hábito de levar a própria garrafa e pedir “a beer to go” já não causa estranhamento. É bastante comum os bares terem um espaço exclusivo para os clientes com seus growlers, ou reservarem um dia na semana para esse fim.

No Rio de Janeiro, a moda diferentona chegou chamando atenção. Marco Prates, o Totonho, dono do bar Artesanato da Cerveja, em Copacabana, diz que a frequência de clientes curiosos é tão alta quanto a dos apreciadores mais fiéis. “Hoje em dia, eu diria, são 50% apreciadores e 50% curiosos. Copacabana é um local de grande movimento e turismo, então sempre tem pessoas que passam e provam pela primeira vez”.

Quem aprova pode sempre ter uma experiência nova na próxima vez que encher a garrafa. Os growler bars cariocas disponibilizam estilos diferentes de cerveja com certa rotatividade. Dá para abastecer a garrafa com bebida de todo tipo, desde pilsen, um chope popular, até os mais exóticos. Para saber quais as cervejas disponíveis em cada estabelecimento, basta consultar as redes sociais dos bares, sempre atualizadas.

Os preços também variam, o que possibilita a experiência de beber no growler sem gastar tanto. E sem sair de casa também. O PlayGrowler, em Ipanema, vende chopes para levar desde R$ 24,90, e ainda oferece serviço de delivery na Zona Sul entre terça e domingo. Para receber em casa, basta ligar ou entrar no site da cervejaria e escolher a bebida no cardápio disponível on-line. O garrafão vazio de 1 litro custa R$ 15 (e ainda há uma versão de plástico não-reutilizável que sai por R$ 3,50). Apesar da praticidade do delivery, há muitos motivos para visitar o bar, que fica no número 47 da rua Teixeira de Melo. A casa oferece todo sábado um menu de frutos do mar, e já anuncia workshops de degustação de cervejas ainda para este ano.

No Artesanato da Cerveja, o preço do litro do chope vai de R$ 23,90 (Old School Pilsen) a R$ 69,90 (Monjolo Imperial Porter). A casa vende seus próprios garrafões, que armazenam até 5 litros de chope. O suficiente para durar a noite toda, perto ou longe do bar. Experimente abastecer o seu growler de vidro com seu chope preferido e você poderá notar a diferença: é como ter uma máquina de chope sempre à disposição.

Conheça os growler bars cariocas:

Artesanato da Cerveja: Rua Barata Ribeiro, 247 – Loja C – Copacabana

http://artesanatodacerveja.com/

BeerLab: Rua Sousa Lima, 16 C – Copacabana

http://beerlab.com.br/

Growler2Go: Rua Eng. Haroldo Cavalcante, 410 – Loja B – Recreio dos Bandeirantes

http://www.growlers2go.com.br/

Play Growler: Rua Teixeira de Melo, 47 – Ipanema

http://playgrowler.com.br/

Fotos: Mauana Simas

POSTS RELACIONADOS