motostyle
a cidade (mobilidade)

Vivências outdoor


Escrito por Motorola

O cinza vai abrindo caminho para o verde. Aos poucos os cidadãos voltam a se sentir confortáveis para curtir os espaços públicos. Afinal, a tendência é socializar e passar boas tardes nos parques espalhados pelas cidades. Essa liberdade de aproveitar a vida ao ar livre é concedida a todos e o colorido torna-se predominante.

Tão comum ao redor do mundo, o aproveitamento dos parques e outros ambientes agora figura no Brasil não só como necessário, mas também como uma exigência da população, que quer aproveitar com qualidade os dias – e por que não também as noites? .

Cidades como Berlim, Londres e Nova York são exemplos no quesito eventos outdoor, que aproveitam esses espaços para unir as pessoas de forma sadia, divertida e até mesmo gratuita. Mas tornar esses parques convidativos a todos não foi tão simples. Também aqui, em território brasileiro, tudo começou com a vontade das pessoas em viver a vida curtindo as ruas.

Conheça alguns desses lugares imperdíveis, cheios de história, para aproveitar bons momentos ao ar livre fora do Brasil, e conheça também os que vêm se destacando pela escolha da população aqui no País para curtir dias gostosos fora de casa.

MauerPark – Berlim

O MauerPark carrega em seu nome muita história, pois se localiza na área onde ficava o Muro de Berlim, no bairro de Prenzlauer Berg – mais precisamente entre os dois muros, o da divisa e o da segurança. O parque, nos últimos anos, tornou-se um dos lugares mais cool da cidade. Além de um ponto de encontro dos berlinenses, o local é também referência para visitantes. Aos domingos é quando o parque fica ainda mais movimentado, pois é lá que acontece um dos mercados de pulgas mais famosos de Berlim, sem contar um animadíssimo karaokê, comandado pelos visitantes e por divertidos berlinenses que soltam a voz num microfone acoplado a uma caixa de som carregada por uma bicicleta. O show é para todas as idades, de crianças a idosos. O MauerPark pode não ser o parque mais lindo da cidade, mas é o mais democrático e o que oferece as tardes mais divertidas.

High Line Park – Nova York

São 25 km de uma linha férrea, construída nos anos 30 e desativada nos anos 80, que foi preservada pela prefeitura de Nova York depois que a comunidade pediu que o monumento fosse transformado num parque suspenso e de uso comunitário. Com diferentes tipos de vegetação, o High Line Park se tornou uma verdadeira galeria de arte composta por muitos graffitis, que passa em meio a prédios e corta diversas ruas da cidade. O parque suspenso pode ser comparado a uma passarela, onde não é permitido o trânsito de carros – é até possível acessá-lo de bicicleta, mas para percorrer todo o trajeto só mesmo a pé. Dessa forma, os pedestres podem sentir-se à vontade durante todo o percurso para parar num dos bancos, espreguiçadeiras ou guarda-sóis devidamente instalados, que fazem do ambiente um espaço de descontração. Antes de ser transformado em parque, foram abertas consultas públicas para que fosse decidido como a linha férrea poderia ser readaptada para a visitação; em 2009 o local foi parcialmente aberto ao público e em 2011 o High Line ficou completamente pronto e garante diversas atrações durante todo o ano. Até 27 de outubro, por exemplo, o parque está sediando uma exposição de telescópios da associação de astrônomos amadores, para que os cidadãos possam contemplar as estrelas do local.

Foto Iker Alonso / divulgação.

Minhocão – São Paulo

Um movimento parecido com o que aconteceu com o High Line Park é o que está sendo proposto para o Elevado Costa e Silva em São Paulo, mais conhecido como Minhocão. O espaço, que causou bastante polêmica na capital paulista desde sua construção e hoje é considerado uma “cicatriz urbana”, foi edificado sem que os moradores ao redor fossem consultados – para amenizar os impactos, desde 1976 o tráfego de veículos no local é proibido das 21h30 às 6h30. Hoje em dia, nesses horários e também aos domingos, o Minhocão é invadido por milhares de pessoas que querem confraternizar e aproveitar o espaço como mais um equipamento de lazer. Diversos eventos culturais já acontecem no local nos finais de semana, mostrando o potencial do lugar para virar um parque suspenso – vale a pena consultar a programação. A proposta para transformá-lo em parque, inclusive, já está sendo discutida e a ideia é que os 2,8 km de extensão virem um parque linear, mudando a paisagem urbana dos bairros que ele corta – Consolação, República, Santa Cecília e Barra Funda –, e sejam mais uma opção para paulistanos e turistas aproveitarem momentos ao ar livre.

Foto Preliminares 2013 / divulgação.

Hyde Park – Londres

Mais central, impossível. O Hyde Park em Londres é referência não só pela beleza das diferentes espécies lá plantadas, mas também pela organização. Sempre cheio, ele convida para práticas esportivas, encontros, gente que quer parar por um tempo ou passear pela grama. Na entrada do Marble Arch fica o Spearker’s Corner, onde é possível subir num caixote e fazer um discurso em nome de alguma causa. No verão o local, que é visado o ano inteiro, torna-se ainda mais hypado por receber famosos shows de rock. Bandas como Rolling Stones, Queen e Foo Fighters já tocaram no parque e em setembro deste ano o local sediou shows de Rod Stewart, Will Young, The Coors, entre outros, todos com público animado, que gosta mesmo de unir música boa com o ambiente certo, de preferência começando com o pôr do sol e terminando com as estrelas.

Foto Paulo Hudson / divulgação.

Praça do Pôr do Sol – São Paulo

E tem coisa melhor do que contemplar tão generosa natureza? Um pôr do sol, quando devidamente admirado, nos faz até mesmo esquecer o cansaço do dia e o stress acumulado. Mesmo em São Paulo, longe das montanhas ou do mar, existem lugares para esse ritual. A Praça Coronel Custódio Fernandes Pinheiro já ganhou o apelido de Praça do Pôr do Sol por causa do visual. Nos dias de céu claro que prometem um belo pôr do sol é comum ver pessoas chegando de todos os lugares, casais, pais com crianças, fotógrafos, todos a postos na praça, que fica numa região alta da cidade e por isso confere uma vista da linha do horizonte desenhada pelos prédios e alguma vegetação. O local é perfeito para o momento. Depois que o espetáculo acaba, pode ser perigoso permanecer no local, mas cada vez mais a população que quer contemplar esses momentos ao ar livre chamam a atenção para a importância de praças como essa. Um lugar ideal para você tirar a sua #motofoto perfeita!

Foto Marlon Dias / divulgação.

Parque Lage – Rio de Janeiro

Mesmo quem pode curtir belas paisagens perto do mar também encontra em lindos parques momentos de lazer e diversão. Considerado um passeio imperdível no Rio de Janeiro, o Parque Lage é um refúgio verde com vista para o Cristo Redentor para quem quer dar folga ao mar e à areia da praia. Indicado para todas as idades, o Parque Lage é um convite para os amantes do piquenique – é só levar uma toalha, as bebidas, algumas frutas e a tarde estará completa! Gosta de animais? Por estar muito próximo à Mata Atlântica, é possível ver alguns animais nativos pelo passeio, como macacos-pregos. Se quiser, o local tem também um pequeno aquário aberto para visitação.

O parque, que possui uma mansão tombada pelo IPHAN como patrimônio histórico e paisagístico, abriga desde 1975 a Escola de Artes Visuais, tornando o ambiente, informal e amistoso, cheio de estilo e intelectual. Aproveite a visita e veja as obras dos alunos expostas; algumas acabaram de ficar prontas e estão lá para secar. Não é um privilégio?

Parque do Ibirapuera – São Paulo

Considerado pelo jornal britânico The Guardian como um dos melhores parques urbanos do mundo, e pela população de São Paulo como o queridinho da cidade, o Ibirapuera é o parque ideal para todos. Mais tranquilo durante a semana e agitado aos sábados e domingos, o Ibira (como foi carinhosamente apelidado) abraça quem quer que seja, desde crianças até adultos esportistas, contempladores da natureza, casais apaixonados, artistas de rua, tanto faz. É tanta gente querendo passear por lá que desde 2013 o parque permanece aberto durante a madrugada nos fins de semana. Além das espécies vegetais nativas, lá existem obras de Niemeyer que valem a visita, como o Pavilhão da Bienal de São Paulo, a Oca, o Auditório Ibirapuera, o Museu Afro-Brasileiro, entre outras. Democrático, estar no Ibirapuera é se sentir bem recebido por São Paulo – e, mesmo já sendo famoso, ele vai ganhando cada vez mais notoriedade e importância; afinal, é uma célula verde da qual todos sentem fazer parte. Importantes eventos já utilizam o Ibirapuera como referência. A exemplo de Londres com o Hyde Park, o Ibirapuera também é central e de fácil acesso, talvez por isso tão amado por todos e a escolha certa na hora de passar o tempo fora de casa.

E, para você, qual parque chama a atenção por ser ícone? Compartilhe conosco suas imagens de instantes inesquecíveis, como um pôr do sol encantador ou uma corrida no parque, pelo e-mail [email protected], dizendo onde e com qual smartphone Motorola elas foram tiradas, e uma delas poderá aparecer aqui na nossa galeria. Nós também queremos saber quais foram as suas escolhas! 🙂

 

POSTS RELACIONADOS

motostyle
motolovers

Parabéns Motorola! 90 anos fazendo a história acontecer com você

motostyle
arte

A nova cena brasileira de colagem