motostyle

5G e a conexão com o futuro


Escrito por Motorola

Estamos mais próximos de um futuro “hiper-conectado” do que você imagina. E também do que já existe. Um mundo no qual a sua rede móvel, por exemplo, pode vir a se tornar mais rápida que o wi-fi da sua casa. Onde downloads podem ser realizados em segundos, ou até mesmo em milésimos de segundos.

Até mesmo, quem sabe, avançar na introdução do conceito da “Internet das Coisas”. Algo que, em baixa escala, já existe em nossa rotina. Com isso, você se pergunta: mas o que pode tornar esse mundo possível? Uma viagem no tempo trazendo ao presente uma tecnologia avançada? Bommmm, não. A resposta que você procura está no 5G.

Partindo do princípio

Antes de entender o motivo que torna o 5G o facilitador desse cenário, é importante compreender o que essa tecnologia e uma rápida contextualização da sua história. Dê play naquela playlist lo-fi futurista que você tem guardada e nos acompanhe na leitura.

Atualmente, a geração de rede móvel que funciona no Brasil é a 4G. Ela proporciona o acesso que você tem, fora de casa, as redes sociais, streamings, consultas na internet, chamadas de vídeos, serviços em nuvem, entre outras funções originárias dessas que citamos. Inclusive, pode ser ela que esteja possibilitando a leitura desse texto.

A primeira geração dos “G”, ou seja, das conexões móveis, teve seu início em 1991. Nessa época, ela servia inteiramente para realização de ligações telefônicas por voz sem fio. Não demorou muito para o 1G tornar-se obsoleto.

Ainda em 1991, o 2G nasce para melhorar a performance de seu antecessor. Focando exclusivamente nas integrações com circuitos digitais. Nesse estágio, o SMS tornou-se famoso, possibilitando uma rápida troca de mensagens e conectando mais pessoas.

Curiosidade rápida: A Motorola proporcionou a primeira ligação fora do planeta. Durante a realização da Apollo 11, o astronauta Neil Armstrong trocou o primeiro papo com a Terra a partir de um aparelho de telecomunicações da Motorola.  

Em 2001, nasce aquele que tornou o acesso à internet algo inusitado. Antes, você precisava de um computador e aparelhagem dedicada para o acesso. Agora, você tem o acesso na palma da sua mão. Incrível, né?

Porém, essa tecnologia só chegou ao Brasil em 2007. Permitindo a realização de videochamadas, a TV Mobile e a evolução dos SMS e dos e-mails. Há quem diga que ficou até mais fácil flertar. Será?

Chegando até os dias atuais, nosso querido 4G é figurinha carimbada no cotidiano dos brasileiros (e claro, dos Motolovers). A tecnologia é responsável pela melhora e avanço no que o 3G proporcionava. Além da conexão mais rápida, você é capaz de jogar o que você quiser, dependendo do seu pacote de dados, aonde você estiver.

Assistir aquela série durante a ida ou volta do trabalho? Só dar o play. Subir aqueles arquivos para o trabalho enquanto passeia com seu doguinho? É pra já! Tudo isso é possível por meio do envio de dados mais rápido e com o objetivo final claro: chegar com mais velocidade ao consumidor final.

E onde entra o tal 5G? 

E chegamos a cereja do bolo, a tão esperada internet 5G. Utilizando a tecnologia por ondas maior do que toda a família de redes móveis que já existiu, a expansão de sua conexão entre emissor e receptor traz consigo uma latência extremamente baixa. Resumindo, o tempo entre upload e download de um dado resume-se à, no máximo, 1 milissegundo. O que torna tangível inúmeras vantagens cotidianas para o consumidor, como por exemplo, algo citado no começo do texto, a Internet das Coisas.

Em vez dessa velocidade estar presente somente da rede móvel, sua expansão pode chegar a carros autônomos, eletrodomésticos com funções digitais e com acesso a internet, a telemedicina, tornando o acesso entre médico e paciente algo extremamente rápido e qualitativo, entre outras tecnologias que sejam compatíveis no espectro de uma hiper conexão e troca de dados.

Em relação aos streamings, o 4G, por exemplo, leva em torno de 1 hora para efetuar o download de um filme, enquanto pela rede 5G, levaria cerca de 6 segundos para baixar o mesmo arquivo. Uma playlist de 1 hora no Spotify demoraria cerca de 20 segundos com o 4G. Com o 5G, esse tempo cai para 0,6 segundos.

Fora isso, a tecnologia 5G também gera economia de bateria, visto que, por conta da sua velocidade e conexão, seu aparelho levaria menos tempo para concluir tarefas que necessitam de acesso a internet. Sem contar a possibilidade de uma cobertura maior em relação a redes móveis, uma vez que, em teoria, o 5G suportaria a conexão de 1 milhão de aparelhos por quilômetro quadrado.

Nada de atrasos ou falhas naquela story em um grande show, ou queda na conexão em grandes eventos de videogames. O futuro está cada vez mais próximo. E, quem sabe, aqueles pensamentos que circulam a nossa cabeça sobre as possibilidades e tecnologias avançadas que temos após sair de uma obra de ficção científica tornam-se reais em pouco tempo.

Gostou do conteúdo? Quer mais? Temos outro textinho esperando por você no Blog mais descolado da Internet (e talvez do Multiverso). Clique aqui e confira. 

POSTS RELACIONADOS

phonelifebalance

Moto nas ruas: namorados e smartphone

motostyle
geek

Maratona geek para o fim das férias