phonelifebalance

Phone-life balance com Marcelle Xavier e Tiago Gamaliel


Escrito por Motorola

Como os convidados do Hello Cinema equilibram o uso do smartphone em suas vidas

Em março deste ano, a Motorola propôs uma reflexão sobre o uso equilibrado do smartphone. O phone-life balance, conceito criado pela marca, é um convite para que as pessoas pensem como é a sua relação com o seu aparelho, e em como ele impacta nas relações com o mundo e com as outras pessoas.

Pensando nisso, o Hello Moto conversou com Marcelle Xavier e Tiago Gamaliel, convidados do primeiro Hello Talks do Hello Cinema, para saber como os dois equilibram o uso do smartphone em suas vidas. Eles também deram dicas de como usar a tecnologia de forma balanceada no dia a dia.

Marcelle Xavier durante o talk no Hello Cinema
Marcelle Xavier durante o talk no Hello Cinema

Quantas horas por dia você passa no smartphone?

Marcelle Xavier: Não sei ao certo quantas horas, mas sei que são muitas. O celular transcende seu papel como telefone, e hoje é usado como despertador, ferramenta de trabalho, meio de socialização, distração, entretenimento, transporte, locomoção, alimentação, dentre outros. Então facilmente ele ocupa um papel importante em quase todas as atividades que realizo no meu dia.

Tiago Gamaliel: Não tenho a menor ideia desse tempo. E eu tenho inclusive dois smartphones. Mas não vejo esse tempo como uma coisa prejudicial. Uso para me informar, conversar com amigos, buscar referências. É um tempo muito útil para mim. Não gasto tempo só rolando pela timeline do Facebook.

Você tem alguma regra pessoal para usar o smartphone de forma saudável?

Marcelle: Tenho algumas práticas que me ajudam a desenvolver uma relação mais saudável com o smartphone. São elas:

– A maior parte do dia meu celular fica no modo “não perturbe”.

– Não recebo nenhuma notificação do Whatsapp.

– Não mexo no celular quando estou interagindo com outras pessoas pessoalmente.

– Faço ao longo do dia alguns “sprints” de 30 minutos de trabalho nos quais o celular fica no modo avião.

– Evito o uso do Instagram sempre que posso.

– Paro de mexer no celular pelo menos 30 minutos antes de dormir.

Tiago: Nenhuma.Tento evitar distrações em momentos que preciso de muita concentração. Mas não é nada muito extremo.

Tiago Gamaliel em sua participação no Hello Cinema
Tiago Gamaliel em sua participação no Hello Cinema

Em quais ocasiões o uso do smartphone deixa de ser saudável?

Marcelle: Já fiquei muito incomodada com amigos que insistiram para me encontrar e passaram a maior parte do tempo mexendo no celular. Eu pessoalmente percebo que estou extrapolando quando começo a olhar de 5 em 5 minutos para ver se tem notificações, mesmo sabendo que nada importante está para acontecer. Também já tive uma fase da minha vida em que chegava do trabalho e ficava a noite toda no celular, o que eliminei da minha vida.

Tiago: Acho que extrapola esses limites quando, ao invés de ser um ferramenta de interação social, as pessoas se isolam socialmente atrás do smartphone.

Quais atividades jamais serão substituídas pelo virtual?

Marcelle: O que eu mais gosto é me relacionar com as pessoas que eu amo, e apesar do smartphone ajudar a manter e sustentar relações, nada para mim substitui a profundidade do presencial. O toque, a fala fluida, o olhar, a troca de energia, nada disso é substituído pelo virtual.

Tiago: Não troco um bom papo presencial. Mesmo que tenhamos vídeo chamadas e outros recursos, uma discussão animada, agitada, com pessoas no mesmo espaço que você é uma coisa insubstituível.

Qual é uma boa forma de equilibrar o uso do smartphone em nossas vidas?

Marcelle: Ter consciência e usar com moderação. Muitas vezes usamos o smartphone para fugir do desconforto, do silêncio, de olhar para questões difíceis, de criar relações e viver a realidade. Por isso acredito que algumas perguntas me ajudam a colocar consciência: Eu realmente preciso do meu smartphone agora? O que está por trás da minha necessidade de mexer no celular? É genuíno ou estou fugindo de alguma coisa? Além disso, desenvolver seus próprios rituais de se desligar ajuda muito.

Tiago: No meu caso, não coloco limites sobre quantidade de horas, ocasiões onde posso usar e tal. Mas tenho um cuidado em entender o smartphone como uma ferramenta, e colocar os recursos que ele me oferece a serviço do que quer que eu precise fazer. Penso só em que maneiras alocar o recurso do smartphone, para não ficar um uso vazio.

E você, o que tem feito para que o uso do smartphone seja saudável em sua vida? Clique aqui e acompanhe todas as dicas do Hello Moto para que você tenha uma relação equilibrada com seu smartphone.

POSTS RELACIONADOS

motostyle
arte

A sinalização artística de Kleber Matheus